quarta-feira, 23 de maio de 2018

O que é um URL ?

O que é um URL ?

Uniform Resource Locator ou  Localizador Padrão de Recursos.


 url é um endereço virtual com um caminho que indica onde está o que procuramos  pode ser :  um arquivo,  uma máquina, uma página, um site, uma pasta etc. Url também pode ser o link ou endereço de um site.
Um URL é composto de um protocolo, que pode ser tanto HTTP, que é um protocolo de comunicação, FTP que é uma forma rápida de transferir arquivos na internet etc.

O formato das URL é definido pela norma RFC 1738.

Resultado de imagem para que significa url?

segunda-feira, 23 de abril de 2018


Resultado de imagem para social identity
imagem : aqui


A teoria da identidade social tem sua origem na psicologia social e busca compreender quais os aspectos psicológicos que unem um grupo e o que faz com que ele seja reconhecido enquanto tal por outros. 
Porém, esses grupos de pertença não são pequenos, mas em larga escala, por exemplo a identificação entre indivíduos e uma nação, uma raça ou uma religião.  (..)


Segundo Peter Burke “a teoria da identidade social é uma teoria da psicologia social no campo da sociologia e atenta para o entendimento das identidades, suas fontes na interação e na sociedade, seus processos de operação e suas consequências para a interação em sociedade” (BURKE, 2009). Basicamente, a pergunta que sociólogos e psicólogos se questionam é: o que quer dizer ser o que você é?

Uma identidade é o conjunto de significados que define alguém enquanto desempenha algum papel em particular em uma sociedade. Por exemplo, uma pessoa pode ser em seu ambiente de trabalho médico, mas no âmbito familiar pode ser um irmão e pai. Logo, as pessoas possuem múltiplas identidades porque pertencem a diferentes lugares, desempenham diferentes papéis e são um complexo de características.
Compreender o que constitui uma identidade social é buscar interpretar como essas múltiplas identidades se relacionam em cada indivíduo, como essas identidades se relacionam com o comportamento, pensamentos e emoções e como essas identidades se relacionam com o todo, com a sociedade (BURKE, 2009, p. 3).
Sendo assim, essa teoria busca de fato relacionar indivíduo e sociedade, percebendo-os como mutuamente influenciáveis. O indivíduo não é apenas receptor das coerções da sociedade e a sociedade não é uma coleção de indivíduos. Portanto, as características individuais são um complexo formado pelas influencias da sociedade e pelas escolhas individuais. Ao mesmo tempo essa mesma sociedade não é uma construção abstrata incausável, mas é fruto do conjunto de ações destes indivíduos. As teorias sobre identidade social buscam justamente compreender como acontece este entrelaçamento.

Família e escola

Resultado de imagem para family and school

imagem : Aqui


A instituição escolar, representada por diversos sistemas, rotinas e didáticas, abrem, diariamente, a porta do conhecimento aos seus alunos. Um universo lúdico, repleto de descobertas, experiências, vivências e até fantasias, refletem no desenvolvimento e aprendizagem com expectativas positivas a ponto de alcançar o sucesso educacional – e pessoal.
A família, por outro lado, é a representação mais poderosa na influência e desenvolvimento da personalidade e formação de consciência da criança. A base extremamente estabelecida no âmbito familiar provoca uma sensação prazerosa às crianças, que encontram um espaço natural para  o seu desenvolvimento, cultivo de valores humanos, solidificação da responsabilidade e uma segurança inigualável. 
Estabelecer um vínculo entre os pais e a vivência escolar dos seus filhos não é tarefa fácil. Mas esse elo consegue suprir necessidades físicas, psíquicas e sociais, que as crianças tanto necessitam. Além do ensino nas salas de aula, os deveres de casa e as brincadeiras, a criança precisa de afeto, incentivo e elogios.
Um dos papeis da escola é estabelecer parâmetros para a criança crescer como ser humano, ser protagonista de sua própria história, envolver a família no ensino-aprendizagem e resgatar a dimensão ética do conhecimento. 
 “As crianças gostam muito, sentem-se orgulhosas e importantes ao verem os pais no seu espaço, reforça a parceria entre a família e a escola, proporcionando mais segurança e alegria, o que é fundamental para a aprendizagem”.
Promover a integração da família na escola é uma alternativa para embarcar no período de maior descobrimento e experimentação na vida do aluno. O ideal é que essa relação fortaleça ao longo dos anos, cultivando transformações sociais e culturais, aproveitamento completo do rendimento escolar e desenvolvimento significativo de atributos individuais.


A família portuguesa - Tendências

Resultado de imagem para a familia em portugal funny

Fausto Amaro * ( adaptado )
O QUE É A FAMÍLIA
(..). Na clássica definição de Murdock “A família é o grupo social caracterizado por residência em comum, cooperação económica e reprodução. Inclui adultos de ambos os sexos, dois dos quais, pelo menos, mantêm uma relação sexual socialmente aprovada, e uma ou mais crianças dos adultos que coabitam com relacionamento sexual, sejam dos próprios ou adoptadas.”

(..) Instituto Nacional de Estatística que define a família como o “Conjunto de indivíduos que residem no mesmo alojamento e que têm relações de parentesco (de direito ou de facto) entre si, podendo ocupar a totalidade ou parte do alojamento. Considera-se também como família clássica qualquer pessoa independente que ocupa parte ou a totalidade de uma unidade de alojamento."

ESTRUTURA E TIPOS DE FAMÍLIAImagem relacionada

O número médio de pessoas da família tem vindo a diminuir progressivamente. Em 1920 era de 4,2; (..) 2001 situava-se em 2,8. As causas são conhecidas e estão relacionadas com a queda da natalidade e da fertilidade.
Resultado de imagem para living apart together

Alguns estudos em países da União Europeia têm chamado à atenção para um novo tipo de relacionamento conjugal conhecido na terminologia inglesa por LAT (Living-apart-together). Trata-se de casais que não tendo ambos qualquer outro vínculo conjugal, decidem fazer vida em conjunto, mas vivendo cada um na sua casa. Em Portugal não se conhece ainda a dimensão deste fenómeno.
Quanto a novas formas de família originadas na relação entre duas pessoas do mesmo sexo, elas não são referidas nas estatísticas.
(..)Resultado de imagem para living apart together


CONSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA
A família constitui-se quando duas pessoas decidem viver em comum debaixo do mesmo teto com o objectivo de manterem entre si um relacionamento sexual. A maior parte das pessoas constitui família através do casamento, mas nas sociedades contemporâneas tem sido crescente o número daqueles que constitui família através de uma união de facto e não de jura. (..)
Em Portugal, o casamento de jure  (pela lei)continua a ser a norma e muitos casais que começam a viver em coabitação vêm a casar mais tarde, geralmente por ocasião do nascimento do primeiro filho. O casamento é visto como estando associado a uma maior estabilidade e continua a ter grande importância na população portuguesa. Apesar da maior parte dos casais ter optado pelo casamento,
a idade em que este se realiza tem vindo a aumentar. No período de 20 anos, entre 1981 e 2001 a idade do primeiro casamento passou nas mulheres de 23,3 para 25,3 anos e nos homens de 25,4 para 27,1 anos.

(..)
A VIOLÊNCIA NA FAMÍLIA
Em Portugal o problema da violência na família apenas começou a chamar a atenção dos estudiosos nos anos 80. Entre as formas de violência mais estudadas contam-se os maus-tratos infantis cujo primeiro estudo de âmbito nacional foi publicado em 1986 sob os auspícios do Centro de Estudos Judiciários.Com base nos dados deste primeiro estudo foi estimada a prevalência dos maus-tratos físicos em 13 por cada 10.000 famílias; os maus-tratos psicológicos em 19 por 10.000 e a negligência em 30 casos por 10.000 famílias.
Quem eram os agressores? Para surpresa de muitos, os agressores eram os próprios pais. Estes apresentavam problemáticas caracterizadas por baixo nível de instrução, desemprego, alcoolismo e pareciam ter uma personalidade agressiva. O mesmo estudo identificou também casos de abuso
sexual que atingiam 1% as crianças maltratadas. As crianças, geralmente com idades entre os 9 e os 14 anos, eram abusadas por membros da família ou por pessoas próximas em quem a família confiava. (..)
 Um outro aspecto da violência na família é a violência sobre a mulher, geralmente referida como violência doméstica. Por razões de ordem cultural esta é uma área de maior dificuldade de investigação devido ao facto de haver uma menor sensibilidade social a esta forma de violência. A situação era e é de grande constrangimento social para a mulher que por vezes esconde o facto de ser agredida com receio do estigma social ou das represálias do marido sobre ela ou sobre os filhos.
 Elas são vítimas sobretudo de maus-tratos físicos e maus-tratos emocionais. Tal como acontecia no caso dos maustratos infantis, a principal característica associada ao agressor parece ser o alcoolismo, que estará presente, segundo estimativas em cerca de 70% dos casos.

* Professor e Director do Centro de Estudos da Família
do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas,
Universidade Técnica de Lisboa.

A família em portugal

Resultado de imagem para a familia em portugal

Há mais casais sem filhos, mais divórcios, mais agregados monoparentais. Há ainda os pais biológicos, os pais sociais, os novos meios-irmãos e os novos filhos que nascem do novo casal.
Uma mãe e um pai, casados pelo civil e pela Igreja, com um ou mais filhos a viver na mesma casa: este conceito tradicional de família está a mudar. Passados cem anos sobre a primeira lei do divórcio em Portugal, hoje, por cada dois casamentos há uma separação. Ter filhos deixou de ser uma prioridade e há cada vez mais famílias monoparentais.
Há uma média de 72 divórcios por dia em Portugal (2009),  ( 60 por dia em 2016 )contabilizou o Instituto Nacional de Estatística (INE). Há 50 anos, a média era de dois por dia. 
O conceito de família mudou. Segundo a Pordata, actualmente, os casais que optam por ter filhos são cada vez menos, uma tendência que confronta a tradição. Em Portugal, havia 2  224  100 famílias sem crianças em 2005. Três anos depois são 2 357 400 casais.
 E, note-se, em 2008, registou-se 90,4% de mulheres portuguesas sozinhas com os filhos, uma tradição que promete não mudar. A descer nas estatísticas estão os casais com filhos: passaram de 27,3% para 25,8% no nosso país.
As amarras do casamento tradicional deixaram de existir. Valoriza-se  a realização pessoal na procura pela relação e pela família perfeitas.
Há cada vez mais divórcios e a tendência será para continuarem a subir, acreditam os sociólogos. Quer isto dizer que o casamento e a família estão em crise? Não. Quer dizer precisamente o contrário: "As pessoas não se divorciam por deixarem de acreditar no casamento. Dão, isso sim, um sinal de crença reforçada no casamento", defende o sociólogo da família Pedro Vasconcelos. "Rompem com uma família para ir à procura de outra", reforça a socióloga Engrácia Leandro. Nas sociedades modernas, o objectivo é ser feliz.
Prova disso mesmo é o facto de muitas das pessoas que se divorciam procurarem novas relações e, muitas vezes, novas famílias. Segundo Engrácia Leandro, professora catedrática e investigadora do Centro de Investigação de Ciências Sociais da Universidade do Minho, "as pessoas colocam-se a elas próprias acima de tudo. É o processo incessante da busca da felicidade pela felicidade".
Ao contrário do que sucedia no passado (não muito distante, há algumas décadas atrás), em que "a vida estava programada de acordo com um modelo dominante de ideologia e moral familiar, hoje, a moral e a ideologia não são tão tradicionalistas. Há mais liberdade individual", explica Pedro Vasconcelos docente e investigador do Instituto de Ciências Sociais do Instituto Superior da Ciência do Trabalho e da Empresa (ISCTE) da Universidade de Lisboa. Com a modernidade veio a individualização e esbateu-se a rigidez dos papéis do homem e da mulher na sociedade e na família.
Assim, segundo a ideologia actual, "valoriza-se mais a relação e não a instituição. A conjugalidade deixou de estar articulada com o casamento institucional. A formalização da relação passou a ser irrelevante. Em suma, o que é central é a relação" - frisa o sociólogo. 
Num processo de mudança de mentalidades muito lento, casar deixou de ser - na generalidade - uma forma de aceder a um determinado estatuto social, "independentemente da realização pessoal", continua o mesmo investigador. Contudo, ainda hoje são mais comuns os casamentos entre pessoas de condição social semelhante, por exemplo
Não obstante a contagem de um divórcio por cada dois casamentos, no ano passado, a docente da Universidade do Minho afirma, sem margem para hesitações, que "hoje, valoriza-se mais a família". Engrácia Leandro sustenta-se nos mais recentes inquéritos locais, europeus e até mundias que colocam a família, quase sempre, em primeiro lugar. "Não é a família que está em crise", afirma a socióloga. "É o modelo tradicionalista de casamento", complementa o sociólogo da Universidade de Lisboa.
No mesmo sentido, a socióloga Sofia Aboim declarou, esta semana, à Lusa, que "houve uma transformação profunda na forma como as pessoas concebem o casamento. Não já algo a que estão amarradas pelo peso da tradição, mas algo com que podem acabar se não se sentirem individualmente satisfeitas na relação".
Mas, defende Engrácia Leandro, "a família  é o primeiro reduto de felicidade. É o lugar onde as pessoas são pessoas". Na família, as pessoas são o que são. Não são definidas pela sua profissão, pelo seu saldo bancário ou pelo número do cartão de cidadão. E "o conceito de família mudou muito profundamente. Ainda que não da mesma forma em determinados grupos sociais", acrescenta.
O aumento de divórcios, entre outros factores, conduziu ao aumento de famílias monoparentais. São cada vez mais. Mas "já nos anos 40 (do século passado) Portugal tinha a maior taxa de filhos fora do casamento", recorda Pedro Vasconcelos. Invariavelmente, a tradição ainda é o que era no que diz respeito ao progenitor que fica com os filhos - a mulher. Já o homem,  com menos encargos, tem maior facilidade em começar uma nova relação e criar uma nova família recomposta. "A mulher não tem tanta condição de entrar no mercado de casamento, porque é mais sobrecarregada com os filhos", confirma Engrácia Leandro.
 "Hoje tudo é pronto-a-comer, pronto-a-vestir e pronto-a-deitar fora". 
O individualismo e a busca da felicidade pela felicidade ditam, muitas vezes, o final de casamentos e relações após poucos meses de convivência. Nas sociedades modernas, recorde-se, o objectivo é ser feliz. Por vezes, custe a quem custar.
fonte : Jornal de noticias - noticia de Cláudia Luís 07 Novembro 2010 (adaptado )

terça-feira, 10 de abril de 2018

O Ano da Morte de Ricardo Reis

“O Ano da Morte de Ricardo Reis”, José Saramago, 1984

Surpreendente, para ser lido com calma, saboreando os caminhos que Saramago nos convida a seguir ao longo das páginas deste romance. Texto de Almerinda Bento.
Uma das minhas leituras de férias é mais um dos livros de José Saramago já há algum tempo à espera de chegar a sua vez. Como sempre, fascinante, denso, com incursões inesperadas a propósito de tudo e de nada, desde expressões da nossa linguagem do dia-a-dia, até deambulações sobre a vida, a morte, o ser, o existir, o sonho… sobretudo nos encontros de Ricardo Reis com Fernando Pessoa. Surpreendente, para ser lido com calma, saboreando os caminhos que Saramago nos convida a seguir ao longo das páginas deste romance.
....Resultado de imagem para o ano da morte de ricardo reis
Em finais de dezembro de 1935, Ricardo Reis chega de barco a Lisboa, vindo do Brasil onde esteve dezasseis anos a viver. É o reencontro com a sua cidade, ficando alojado no Hotel Bragança na Rua do Alecrim, não sabendo ainda por quanto tempo lá vai ficar. Sem planos definidos, Ricardo Reis é uma personagem solitária que vai observando e apreendendo a realidade da cidade, do país e do mundo, sem se envolver diretamente, antes colocando-se de fora.
Resultado de imagem para lisboa 1935 hotel bragança rua do alecrim
No entanto, o cemitério dos Prazeres onde está sepultado Fernando Pessoa falecido em 30 de Novembro de 1935, é o primeiro local que Ricardo Reis visita mal chega a Lisboa. No primeiro dia do ano de 1936, quando a euforia do novo ano é vivida lá fora e Ricardo Reis já se recolheu ao seu quarto no hotel Bragança, Fernando Pessoa (ou o seu fantasma) visita-o pela primeira vez e avisa-o de que só poderão ter mais oito meses para se encontrarem e explica que tal como quando estamos no ventre das nossas mães não somos ainda vistos, mas todos os dias elas pensam em nós, após a morte cada dia vamos sendo esquecidos um pouco “salvo casos excepcionais nove meses é quando basta para o total olvido”.
O “Senhor Doutor Reis” como é tratado pelos empregados e hóspedes do hotel é um homem solitário, embora goste de almoçar em pequenos restaurantes pedindo ao empregado que não levante o prato à sua frente e deixe cheios o seu copo e o do seu companheiro imaginário. Gosta de observar e imaginar histórias sobre alguns hóspedes que jantam e frequentam o hotel e cria uma familiaridade por vezes forçada com o gerente – Salvador – com Pimenta que lhe carrega as malas e com Lídia a empregada que lhe limpa o quarto e lhe leva o pequeno almoço. Por outro lado, sendo alguém que se instala durante algum tempo no hotel sem ocupação nem ligações familiares ou sociais conhecidas, é observado não só pelo gerente e pelo empregado do hotel, mas também pela polícia política que quer saber as motivações daquele estranho doutor Ricardo Reis que regressou a Portugal vindo do Brasil. As notícias que lê todos os dias nos jornais para se pôr a par do que se passa no mundo e em Portugal pintam um retrato idílico de um país em que o salazarismo começa a fazer o seu caminho. O país da ideologia da família unida e feliz, em paz, em confronto com as convulsões que se vivem na vizinha Espanha e no Brasil. O país da sopa dos pobres e das obras de caridade em todas as paróquias e freguesias. O país onde se morre de doença e de falta de trabalho. O país dos milagres de Fátima e da devoção ao chefe, arregimentando os seus seguidores na Mocidade Portuguesa, na Legião e em outros instrumentos de propaganda como a Obra das Mães pela Educação Nacional. O país dos filhos de pais incógnitos. O país da discricionariedade e da devassa da vida privada, dos interrogatórios e da intimidação sem quaisquer motivos, o início da triste história da PVDE/PIDE. No fim do interrogatório à saída da António Maria Cardoso, Ricardo Reis sentiu um fedor a cebola que exalava Victor, o informador. Mas também noutros momentos esse fedor rondava por perto.
Lisboa, a cidade de Pessoa, a cidade onde Ricardo Reis veio para morrer, é uma cidade cinzenta e triste em que a chuva cai impiedosa. O Carnaval também é molhado e sem graça. No Verão, o calor é sufocante. A condizer com o ambiente de suspeição e desconfiança do Estado Novo, a cidade é mesquinha, coscuvilheira, intromete-se na vida dos outros. Seja primeiro no hotel Bragança, ou mais tarde quando Ricardo Reis aluga um andar na Rua de Santa Catarina, as vizinhas espreitam, conjeturam, mexericam, imiscuem-se. Até para os dois velhos que se sentam junto à estátua do Adamastor, aquele novo morador de Santa Catarina não deixa de ser um motivo de interesse para matar as horas de ócio e de conversa. Felizmente para Ricardo Reis, daquele segundo andar há uma vista deslumbrante para o Tejo.
Em Espanha, depois da vitória das esquerdas nas eleições é para Lisboa que fogem e se refugiam os detentores de riquezas, aguardando a reviravolta que não tardará com o golpe fascista liderado por Franco. Na Alemanha e na Itália, os ditadores lançam os seus instrumentos de propaganda e preparam os seus seguidores para um dos períodos mais negros da história da humanidade. No Brasil o comunista Luís Carlos Prestes é preso. As notícias dos jornais portugueses dão conta de que no estrangeiro Portugal é visto como o país que finalmente vive um período de paz e prosperidade.
E agora, as duas personagens femininas que se relacionam com Ricardo Reis. Lídia – a musa das Odes de Ricardo Reis – e Marcenda são duas personagens centrais nesta obra e neste período da vida de Ricardo Reis. Como é apanágio de Saramago, as suas heroínas são sempre mulheres fortes e decididas. Lídia, empregada no hotel onde Ricardo Reis vai viver os primeiros tempos após a sua chegada a Lisboa, é senhora de si, apaixona-se pelo doutor Ricardo Reis mesmo sabendo das diferenças sociais que a impedem de poder ter uma vida social sem ambiguidades com aquele com quem se relaciona sexualmente. Marcenda, a jovem hóspede do hotel que todos os meses vem com o pai para uma consulta médica, encontra em Ricardo Reis uma pessoa mais velha que a trata como uma adulta e não como uma criança a quem se escondem verdades dolorosas.
Muito mais haveria a dizer sobre este denso romance de José Saramago, repleto de referências poéticas a Camões, à “Mensagem” de Fernando Pessoa e aos seus muitos heterónimos, entre outros. Não sendo especialista na obra do poeta, limito-me aqui a fazer este breve apontamento sobre esta obra de Saramago que penso ser um manancial para os/as amantes da literatura e, sobretudo, para os/as estudiosos/as da poesia de Pessoa e dos seus diversos heterónimos.
Texto de Almerinda Bento, publicado na sua página do facebook(link is external) a 2 de agosto de 2016

Ainda sobre : Foi imaginado pelo poeta Fernado Pessoa  no ano de 1913 para dar voz aos poemas de índole pagã e, conforme sua biografia inventada, nasceu no dia 19 de setembro de 1887, na cidade do Porto. Recebeu uma forte educação clássica em um colégio de jesuítas, tendo se tornado um latinista por educação e “um semi-helenista por educação própria”. Formou-se em medicina e, por ser grande defensor do regime monárquico, no ano de 1919, expatriou-se no Brasil para fugir do regime republicano recém-instalado em Portugal.
O seu espírito clássico greco-latino definiu o tom da sua obra, sendo nela predominantes temas como as boas formas de viver, o prazer, a serenidade e o equilíbrio. Influenciado pelo epicurismo, sistema filosófico definido pelo filósofo Epicuro que prega a procura dos prazeres moderados para atingir um estado de tranquilidade e de libertação do medo, Ricardo Reis defendia o preceito grego do “carpe diem” (viver o “aqui e agora”). Além do epicurismo, foi influenciado também pelo estoicismo, escola de filosofia helenística que rejeitava as emoções e os sentimentos exacerbados.

mais uma análise : O ano da morte de Ricardo Reis, de José Saramago
A ironia na construção do personagem
Em O ano da morte de Ricardo Reis Saramago reúne características que são comuns em toda sua obra: passagem histórica, fatos improváveis e/ou impossíveis e engajamento político. A ironia na construção do protagonista transpassa todas essas características, marcando bem a presença de um narrador manipulador que, embora não trave diálogos abertos com o leitor, como o faz Machado de Assis, evidencia sua presença por meio de encontros, confrontos e diálogos inverossímeis.
O tempo da narrativa ocorre no período entre guerras, que foi marcado por graves tensões políticas que culminaram na ascensão dos regimes totalitários em vários países, entre eles Portugal. A opção de Saramago pelo heterônimo Ricardo Reis para protagonizar uma história ocorrida na década de 1930, um dos períodos mais conturbados do século XX, seria absurda se não fosse irônica.
De acordo com o dicionário Houaiss (2001), protagonista é o personagem em torno do qual se constrói toda a trama. No entanto, em O ano da morte…, Ricardo Reis está à margem da trama, não é um personagem de ação, ao contrário, é um protagonista da não-ação. Qualquer desavisado sobre as preferências políticas e o engajamento político de Ricardo Reis poderia entender que seu retorno à Portugal nesse período representaria um impulso à ação, ao combate, sobretudo porque a efervescência política da época era um contexto propício aos politizados, aos idealistas, aos belicosos… Mas Ricardo Reis é um ser politicamente marginal e desinteressado.
Sobre esse aspecto, O ano da morte… dialoga com o poema Os jogadores de xadrez, de Ricardo Reis, com passagem representativa sobre a posição do protagonista.
“[…]
E, enquanto lá fora,
Ou perto ou longe, a guerra e a pátria e a vida
Chamam por nós, deixemos
Que em vão nos chamem, cada um de nós
Sob as sombras amigas
Sonhando, ele os parceiros, e o xadrez
A sua indiferença.”
(PESSOA, 2007, p. 54)
A opção por não-envolvimento de Reis está próxima à independência e à abdicação. É um agir sem perturbações, independente ao caos, apesar do caos.
“[…] Então não concorda, Seria difícil concordar, eu diria, até, que a história desmente o Ferro, basta lembrar o tempo da nossa juventude, o Orfeu, o resto, digam-me se aquilo era um regime de ordem, ainda que, reparando bem, meu caro Reis, as suas odes sejam, para assim dizer, uma poetização da ordem, Nunca as vi dessa maneira, Pois é o que elas são, a agitação dos homens é sempre vã, os deuses são sábios e indiferentes, vivem e extinguem-se na própria ordem que criaram, e o resto é talhado no mesmo pano, Acima dos deuses está o destino, O destino é a ordem suprema, a que os próprios deuses aspiram. E os homens, que papel vem a ser o dos homens, Perturbar a ordem, corrigir o destino, Para melhor, Para melhor ou para pior, tanto faz, o que é preciso é impedir que o destino seja destino, Você lembra-me a Lídia, também fala muitas vezes do destino, mas diz outras coisas, Do destino, felizmente, pode-se dizer tudo, Estávamos a falar do Ferro, O Ferro é tonto, achou que o Salazar era o destino português, O messias, Nem isso, o pároco que nos baptiza, crisma, casa e encomenda, Em nome da ordem, Exactamente, em nome da ordem, Você, em vida, era menos subversivo, tanto quanto me lembro, Quando se chega a morto vemos a vida doutra maneira, e, com esta decisiva, irrespondível frase me despeço, irrespondível digo, porque estando você vivo não pode responder, Por que é que não passa cá a noite, já no outro dia lho disse, Não é bom para os mortos habituarem-se a viver com os vivos, e também não seria bom para os vivos atravancarem-se de mortos, A humanidade compõe-se de uns e outros, Isso é verdade, mas, se assim fosse tão completamente, você não me teria apenas a mim, aqui, teria o juiz da Relação e o resto da família, […]” (O ano da morte de Ricardo Reis, 1988, p. 340-1).
A passagem das linhas 14-18 parece ser mais uma provocação de Saramago. Embora Reis poetize a ordem criada pelos deuses e entendida como o destino supremo, conforme afirma Pessoa (l. 4-10), a ordem, em nome da qual age Salazar, também considerado uma criatura divina, responsável pelo destino das pessoas, não interessa a Ricardo Reis. Saramago utiliza os mesmos elementos constitutivos da poesia de Reis para se referir à composição política da gestão de Salazar e evidenciar a passividade de Reis diante de questões que para ele, Reis, já são foco de interesse.
Outro aspecto curioso e irônico relacionado ao improvável e ao impossível, características tão exploradas por Saramago, é a relação entre o heterônimo Ricardo Reis e o poeta Fernando Pessoa: o heterônimo se torna tão autônomo biologicamente que sobrevive ao próprio poeta. Assim, temos um personagem morto em franco diálogo com um ser inexistente, um heterônimo, discorrendo sobre fatos reais.
O dicionário Houaiss define heterônimo como “nome imaginário que um criador identifica como o autor de obras suas e que, à diferença do pseudônimo, designa alguém com qualidades e tendências marcadamente diferentes das desse criador”. No entanto, no excerto, as ideias do heterônimo vivo coincidem com as do poeta morto. Formou-se uma simbiose em que ambos se “contaminaram” por aproximação, ironizando ou potencializando ainda mais o impossível e o improvável de Saramago. Para “carregar nas tintas”, o heterônimo é assumidamente despolitizado e desinteressado e o Fernando Pessoa não ficcionado também não era muito engajado politicamente, conforme afirma Reis (l. 18).
Mais um fator interessante. Quando Fernando Pessoa espectro discorda que a humanidade se compõe de vivos e mortos (l. 24-25), ele parece estar assumindo uma fala que poderia ser de Saramago. Ambos personagens são mais ou menos vivos e mortos. O Fernando Pessoa existiu na realidade, mas já estava morto no tempo da narrativa; o Ricardo Reis está vivo no tempo da narrativa, mas nunca existiu na realidade. Dessa forma, ambos gozam o ambíguo estatuto de ser real e fictício.
Todos esses elementos incitam uma questão: a escolha do heterônimo menos politizado de Fernando Pessoa foi uma sátira ou uma crítica ao poeta português? Talvez um pouco das duas coisas. É uma provocação situar Ricardo Reis numa narrativa que se passa num período politicamente conturbado, onde se desenvolvem os germes de uma das piores fases de Portugal em todos os tempos e, seguramente, a pior do século XX. Essa escolha de Saramago não é por acaso. Sendo reconhecidamente politizado, o autor não trataria desse período apenas por interesse histórico. Nesse sentido, com uma intenção aparentemente crítica, Saramago coloca em cena o poeta morto, politicamente redimido e buscando ampliar a visão política de Ricardo Reis, o qual é uma espécie de, em termos políticos, superego de Pessoa. Essa ironia camufla um Saramago implacável e moralista.
No entanto, o distanciamento histórico coloca Saramago numa posição privilegiada. Por um lado, ele acompanhou o desenrolar da história e viu no que acarretou a efervescência política do passado, colocando-o em posição confortável para fazer uma retrospectiva. Por outro lado, ele ainda não era adulto quando esses fatos históricos aconteceram, de modo que não é possível saber o que ele faria naquelas condições se tivesse sido  capaz de agir politicamente. Dessa forma, Saramago pode apenas questionar quem pôde agir politicamente, mas preferiu não se envolver nessas questões. Assim, o distanciamento histórico do autor lhe permitiu criar a sua própria história fantástica e política, mas, antes de tudo, literária. 
http://oquevidomundo.com/o-ano-da-morte-de-ricardo-reis-de-saramago/

sábado, 17 de março de 2018

MB Way - O QUE É O MB WAY E COMO É QUE O POSSO USAR?

Provavelmente até já viram anúncios nos centros comerciais ou na televisão, mas afinal, o que é o MB Way e para que serve ?

É a solução Multibanco que lhe permite fazer transferências instantâneas, compras online e físicas, gerar cartões virtuais MB NET e ainda levantar dinheiro através do seu smartphone, tablet ou PC.
Ou seja, o MB Way é provavelmente aquilo que vai matar o tradicional cartão multibanco que ainda temos na nossa carteira !
É que fica tudo mais fácil !
  • Quer fazer uma compra online ?
  • Pode fazer um cartão virtual, que antigamente era conhecido por MB Net, diretamente na aplicação, o dinheiro da compra é descontado diretamente da sua conta bancária.
Para perceber melhor como se faz, veja o vídeo em baixo !

Até pode levantar dinheiro numa caixa Multibanco sem utilizar o cartão !

  • Apenas precisa de entrar na aplicação e escolher o montante, como pode ver no vídeo em baixo.
Para perceber melhor como se faz, veja o vídeo em baixo !

Quer pagar com o telemóvel em vez de dinheiro ou cartão Multibanco ?

Basta encostar o telemóvel ao terminal !

MB Way Multibanco
Para utilizar este meio de pagamento, que simplifica imenso experiência de compra em loja, basta tocar com o smartphone no terminal de pagamento e colocar o PIN ou a impressão digital na aplicação para confirmar a operação.
Parece fantástico, como é que posso aderir ?
Para usar o MB NET no MB WAY basta que seja aderente ao serviço MB WAY, caso não seja utilizador do serviço MB WAY e pretenda aderir, basta fazer dois passos:

  • 1º passo – Selecionar a opção “MB WAY” no Multibanco (que aparece no 1º ecrã), inserir o seu número de telemóvel e definir o PIN com seis dígitos. (Muito importante guardar este pin, irá utiliza-lo ara confirmar as transações na app MB WAY.)
  • 2º passo – Fazer download e ativar a app MB WAY inserindo o seu número de telemóvel e o PIN MB WAY definido durante o processo de adesão.
  • O utilizador receberá de imediato um sms com código de ativação a inserir na app e o serviço fica totalmente pronto a ser utilizado.
Os dados de Login do utilizador serão sempre o seu número de telemóvel e o PIN MB WAY.
Se quiser saber mais vá ao site oficial da aplicação, aqui.

Fonte : Aqui